BeteBrito.com - Artista Plástica



Arquivo de Artigos

Margarida

Seria mais fácil pintar uma flor se pudéssemos observa-la. Agora, para entendê-la, saber como ela é, podemos pesquisar através de livros e através da internet temos vários sites sobre flores.
Campo de Margaridas
Campo de Margaridas

Margaridas Brancas

Margaridas Brancas

Poesia:

Maragaridas

Bem me quer,
mal me quer….
Ele me ama,
ele não ama…
Ele virá,
ele não virá…
Hei de ser feliz,
viverei feliz….
E as cores brancas da margarida
despetalando entre as mãos,
escorregando entremeio aos dedos
caiam mansamente no chão…
na terra nua,
na grama verde
do jardim.
Margaridas nas janelas,
brincadeira de esperança…
pétalas alvas,
sonhos buscados.
Ainda hoje….
Margaridas nas janelas,
nos prados além do infinito,
como a espera de uma mulher
para despetalar suas entranhas,
pulular pelas campinas
correndo riscos,
simplesmente… vivendo.
Bem me quer…
mal me quer…
Ele me ama….
ele não ama…
Acima de tudo amando o amor,
esperado, inesperado, comprometido.
Serei feliz…
eu sou feliz!

Marly Londero

2 comentários julho 22nd, 2008

Papoula

Seria mais fácil pintar uma flor se pudéssemos observa-la. Agora, para entendê-la, saber como ela é, podemos pesquisar através de livros e através da internet temos vários sites sobre flores.

Papoula

Papoulas na Califórnia

Papoulas
Nome científico: Papaver somniferum
Família: Papaveráceas
Origem: Ásia
Floração: verão

Poesia

Odores de Papoulas

Odores no ar

cores nos olhos

Estrada sem fim.

jardim na estrada,

Você no caminho

eu na encruzilhada…

Papoulas e cheiros…

Lembranças nebulosas

via dupla a optar…

Escorreu pelo tempo

caminho, encruzilhada,

você e eu… nós.

Somente há papoulas multicores

fazendo presente o passado.

Havia uma escolha,

havia opções.

Restaram cheiros e cores,

jardins embelezando o hoje.

Feliz escolha…

Paixão passada… vívida

Vivida.

Além dos jardins,

viver … seguir… re-apaixonar

hoje, sempre.

Marly Londero


Muita Luz!

junho 13th, 2008

Hortênsia

Seria mais fácil pintar uma flor se pudéssemos observa-la. Agora, para entendê-la, saber como ela é, podemos pesquisar através de livros e através da internet temos vários sites sobre flores.

Hortênsia

Caminho com hostênsias

* Nome científico [bb]: Hydrangea macrophylla

* Sinonímia: Viburnum macrophyllum

* Nome Popular: Hortênsia, hortência, rosa-do-japão, hidrângea

* Família: Saxifragaceae

* Divisão: Angiospermae

* Origem: China e Japão

* Ciclo de Vida: Perene

Poesia:

Resquícios

Amei-te como se ama uma hortência,
miríades de cores,
caule ereto,
cortando os ares,
trilhando caminhos que levam além.
Amei-te com cores vivas, azuis, rosas, brancas…
como de uma hortência.
Percorri vielas e becos,
desagüei em riacho calmo,
tornei-me pororoca em mar bravio.
Amei-te com sonhos tresloucados,
destruindo-me no percurso.
Amei-te com o esplendor raro e calmo,
enrosquei-me na explosão do caos.
E …
Apesar de tanto amor,
as cores esmaeceram-se….
evaporaram-se nas brumas da vida.
Restando apenas, tão somente,
o suave perfume pairando no ar,
amado, ido, perdido… olvidado.

(Marly Londero)

Multicores

Entremeios de hortências, cores no ar.
Vida pulsante nas células dormentes,
caminhos que se fazem ao ultrapassar.
Multicores de ilusões,
esperanças pululantes.
Ir em frente, buscar.
Pedaços de ontem,
anseios de amanhã,
luta pelo hoje.
Caminhos de hortências…
reminiscências de,
castelos erguidos,
trilhas pecorridas,
obrigação de seguir…
Amores vieram,
Amores passaram,
Amores que são.
Paixões vívidas,
Paixões adormecidas,
Paixões que impulsionam.
Cores em multicores,
hortências..
Frescor de dias idos,
Fulgor do agora.
Quem sou eu neste emaranhado?
Que resta de mim neste entrelaço?
Lucidez tênue do alvorecer,
etéreo lusco-fusco do entardecer?
Tão somente sou.
E.. basta.

(Marly Londero)

Muita LUZ!

26 comentários maio 6th, 2008

Lírio

Seria mais fácil pintar uma flor se pudéssemos observa-la. Agora, para entendê-la, saber como ela é, podemos pesquisar através de livros e através da internet temos vários sites sobre flores.

Lírio Amarelo

Muita Luz!

Poesia

Lírios

Nos prados verdes haviam lírios.

Pululavam pelas campinas,

Embalando sonhos de menina,

enfeitando mesas ao jantar.

Nas sacadas das janelas moravam lírios.

Velavam namorados, amantes,

perfumavam noite enluarada.

Nas entrelinhas da vida,

coabitavam lírios e mulher.

Caminhos traçados, entrelaçados,

encruzilhados.

Mãos estendidas carregavam lírios,

vermelhos, azuis, brancos, rosas, amarelos….

Nas miríades de estrelas replicavam suas luzes.

Lírios que moldavam o todo,

buscando o complexo de ser,

de realizar,

de ir além.

Lírios…

Na imensidão,

no vácuo,

no íntimo.

Lírios que prediziam

para trilhar e seguir.

Encontrando na seqüência, a meta final.

Marly Londero (abril 2008)

9 comentários abril 22nd, 2008

Orquídea

Seria mais fácil pintar uma flor se pudéssemos observa-la. Agora, para entendê-la, saber como ela é, podemos pesquisar através de livros e através da internet temos vários sites sobre flores.
Muita Luz!


Domínio: Eukaryota

Reino: Plantae

Divisão: Magnoliophyta

Classe: Liliopsida

Ordem: Asparagales

Família: Orchidaceae

Poesia

Orquídea

Dá-me uma orquídea e verá meu riso.

Quisera ter na vida a beleza rústica de uma orquídea.

Quisera ter na vida, a paciência que emana de sua força para florir.

Dá-me uma orquídea…

Descubra-me através dela.

Mira-me nos olhos e sinta o brilho indescritível

de todas as orquídeas.

Beije-me nos lábios e saboreie o gosto agridoce que vem da mata,

brotando da madeira bruta,

recolhendo no decorrer dos dias, os pingos de chuva,

após uma seca interminável.

Dá-me uma orquídea.

Dance comigo a valsa da vida,

ultrapasse os limites, corra os riscos.

Enlace meu corpo com cipós e troncos,

entrega-te a magia de ir mais além,

Aprenda o poder de alcançar os sonhos.

Dá-me uma orquídea…

Desvenda minha alma,

Ama-me como mereço.

Só assim,

Conhecerás o valor de estarmos aqui.

(Marly Londero)


Orquídea

Orquídea amarela

Orquídea feliz

8 comentários abril 17th, 2008

Rosa

Seria mais fácil pintar uma flor se pudéssemos observa-la. Agora, para entendê-la, saber como ela é, podemos pesquisar através de livros e através da internet temos vários sites sobre flores.

Muita Luz!

Poesia :    Simplesmente Rosas

Rosas brancas

Por que ainda não falei de rosas,
Sobre as cores brilhantes que adornam o meu jardim,
os perfumes que ficam no ar, ou… simplesmente,
preenchem os frascos que adornam corpos de lindas mulheres?

Porque ainda não falei das pétalas secas,
guardadas nos livros e cadernos  da adolescente,
dos espinhos que transfiguram a vida
nos fazendo mais fortes depois de retirá-los?

A beleza do buquê que transcende o explicável,
rosas da saudade que velam os que foram,
rosas do riso laço na face enternecida e sonhadora das noivas..
rosas das esperanças de debutantes…
rosas como presente insubstituível em todas as datas…

Talvez… somente talvez….
Sinto-me tão pequena ante tamanha grandeza.
Hoje, falo de rosas, vivas, fulgurantes..
Embaladas em celofanes, florescendo em jardins.
Hoje, no meio da palma aberta da mão,
uma única rosa, solitária, translúcida.
Abrirei meu relicário e aí dentro,
colocarei a rosa esperada,
ali permanecerá, como a marca de se ser
presença,
consolo,
realizações,
solidariedade,
paz…

(Marly Londero)

Reino: Plantae
Clado: angiospérmicas
Clado: eudicotiledóneas
Clado: rosídeas
Ordem: Rosales
Família: Rosaceae
Género: Rosa

    A rainha das flores

    Rosas vermelhas


abril 17th, 2008

Girassol

Girassol

Procurando o astro rei

entre nuvens clara e escura

seu, sorriso

será sempre para ele

o SOL

que encanta, os campos , planícies e jardins.

Tema de vários poetas e pintores como o nosso Van Gogh.

Ficaria mais fácil pintar uma flor se pudéssemos observa-la. Já para entendê-la, saber como ela é , podemos pesquisar através de livros e através da internet temos disponíveis vários sites sobre flores.

Nome Científico: Helianthus annuus.

Nome Comum: Girassol.

Nomes Populares: Girassol, Helianto, Alcachofra-de-Jerusalém.

Família: Asteraceae.

Origem: América do Norte.

Habitat: Prados, campos de cultivo, área abertas.

Poesia

O Lavrador e sua colheita

Tenho as mãos ocupadas na colheita de esperanças

que foram semeadas noutro tempo, noutro campo,

e pareciam soterradas, definitivamente,

na geada da mais completa ausência de sorrisos.

Longo inverno em solitário leito carcomido

pela solidão de nem esperar chegadas ou promessas,

de desejar que o desejo partisse, antes que fosse obsceno,

e de fazer das gavetas sepulturas para antigos versos.

Inesperadamente, um raiozinho de sol, por entre as nuvens,

vem colorir não mais que a possibilidade

de que existam sementes e raízes sob a neve,

e até mesmo a ilusão de uma folhinha verde

despontando no branco e no cinzento dos dias sem memória.

E, olhando além, parece um velho banco de namoros

a suplicar pelo advento de corações entrelaçados,

que tragam de volta os campos ardentes e amarelos

de um Van Gogh a explodir na paixão de sua loucura.

Vou plantar, novamente, nas terras que sobraram,

vou colher muito ou pouco do que vier do solo,

vou saber que me esperas, à tardinha, com teu vestido branco,

e que Deus me perdoe por, bem antes, não haver te amado.

Alberto Lisboa Cohen

livro: Juntando Pegadas

Poesia

Giras e Sóis

Na imponência dos girassóis vi o sol…

alvorecer, entardecer.

Vi a vida girando… girando…

buscando… lutando… brilhando…

Eram giras, ou eram sois?

Cobrindo todo o prado,

alastrando na sala de estar,

adornando a alcova do lar.

Giram girassóis …

giram no mundo,

giram no peito.

Pétalas frias,

lágrimas quentes

de um amor perfeito.

(Marly Londero)

Muita Luz!

Colheita de Girassol

Vaso com Girassóis

Campos de Girassol

Girassol e Margaridas

Girassol Chapêu

março 9th, 2008

Patina Provençal

Pátina provençal , também chamada de pátina branca, é originária da provence, região do sul da França. Com muito charme essa técnica rústica transforma móveis velhos em peças super modernas. Esta patina geralmente é feita em madeira escura para ressaltar seu efeito.

Material:

Lixa nº 100 ou 150

Seladora

Tiner

Trouxinha de pano

Cera em pasta incolor

Estopa

Tinta PVA látex branca

Pincel macio

Modo de fazer:

Lixe a peça, retire o pó e aplique uma camada de seladora (diluída em tinir na proporção de dois para um) com trouxinha de pano por toda a peça. Deixe secar. Lixe mais uma vez, com a estopa aplique a cera em pasta incolor apenas em algumas partes (locais onde será criado o efeito lascado) como cantos, puxadores, quinas, etc.

Aplique uma camada de tinta látex branca (diluída em 10% de água) com pincel macio. Dê outra demão ou várias bem finas para que forme uma camada grossa para que o efeito de lascas seja real.

Lixe os pontos em que foi aplicada a cera, evite fazer movimentos de vaivém. O segredo é lixar em um só sentido para reproduzir lascas na madeira.

DICA: Se você quiser fazer este tipo de pátina em uma madeira clara basta pintar a madeira com PVA látex na cor tabaco e seguir o procedimento acima.

Eu tenho alguns trabalhos feito com este tipo de pátina, é só ir na Galeria de Madeira aqui no site.

Use a criatividade e Muita Luz!

96 comentários fevereiro 28th, 2008

Patina Mexicana

O resultado é alegre e surpreendente.

Material:

Tinta PVA látex nas cores branco e mais 2 ou 3 coloridas

Lixas para madeira

Pincéis

Cera em pasta incolor

Caixinha em MDF

Modo de fazer:

Lixe a caixa com a lixa nº 180 até ficar lisa. Passe o pincel chato nº 16 na água e comece a passar uma das cores  aleatoriamente, passe duas demãos . Espere secar e faça o mesmo com as outras cores.

Quando a caixa estiver toda colorida e seca, use a cera incolor em pasta. Espalhe-a pela caixa inteira com um paninho de algodão. Aguarde secagem por uns 30 minutos.

Por último, em cima das outras tintas, pinte com a tinta branca. Use a tinta mais grossa, com o pincel seco. Depois de seca, passe levemente a lixa 180. Se a tinta não estiver muito seca, o branco vai sair na lixa e a pátina não vai funcionar.

Passe a lixa com paciência, limpando-a sempre que estiver muito branca. Depois de lixada a caixa, passe cera, espere secar e limpe com um pano.

Este tipo de patina fica muito charmosa e delicada.

Passo a Passo

1- Baú colorido

Baú colorido

2 - Baú com cera

Baú com cera

3 - Baú com tinta branca

Baú com tinta branca

4 - Baú lixado

Baú lixado

5 - Baú lixado e com cera

Baú lixado e com cera

6 - Baú com feche

Baú com feche

Muita Luz!

6 comentários fevereiro 28th, 2008

Patina Marroquina

Um toque rústico, envelhecido,  diferente e bem bonito para peças em madeira.

Material:

Velas

Espátula

Trinchas

Betume diluído em aguarás

Tintas látex colorida

Modo de fazer: 

Passe o betume diluído na madeira para escurecer . Secagem rápida.

Com a madeira toda escura, comece a pingar a vela. Basta incliná-la e deixar a parafina escorrer em toda a madeira. Vá com calma para que toda a madeira fique coberta com a parafina escorrida.

Os riscos não ficam uniformes. Faça aos poucos para as linhas ficarem mais regulares. Tome cuidado com a madeira, pois o aguarás é inflamável.

Passe em toda a peça o látex (cor desejada) , diluído em água na proporção de 10%. Com a tinta de baixo ainda úmida, use a tinta mais escura não para cobrir a superfície inteira , mas apenas em algumas partes, para deixar a pintura falhada e aparecer as cores de baixo e de cima. Também seca rapidinho .

Passe a espátula, com cuidado, para tirar toda a parafina derretida. Agora, basta passar um pano .

Muita Luz! 

2 comentários fevereiro 28th, 2008

Next Posts Previous Posts


© Copyright 2017 BeteBrito.com - Artista Plástica. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por kristopher.biz